segunda-feira, 16 de maio de 2016

Você vai ter que aprender a viver comigo com essa mancha. Você insiste em me punir diariamente e isso me cansa ás vezes. Acha que eu não percebo o que sente, mas desse jeito você só me expulsa cada vez mais desse nosso universo. Em alguns momentos você se sente como eu me senti. Fica sozinho rodando pela casa, pintando as paredes. Ás vezes penso em lhe dizer que ainda estou aqui, mas sinto que não quer ver, quer me punir e eu vou deixando, vou deixando, mas isso nunca acaba bem. Enquanto isso eu fico torcendo pra que esteja aqui, não no passado, mas aqui.

sábado, 5 de dezembro de 2015

Foi amor desde a primeira mensagem. Até mesmo no dia em que recebi tua mensagem dizendo que não era para lhe procurar mais, sabia que aquilo também era amor. Passaram se muitos dias desde então, acumulando copos de café, lembrando com dor e com carinho de tudo aquilo que foi. Sei que não quer me ver nem pintado de ouro, mas da minha parte sempre foi tudo verdadeiro, até a despedida foi verdadeira. Quisera eu ser uma pessoa que me preocupasse com os outros. Descobri que só me importo com o meu umbigo.

Nesse meio tempo, Amora, a coisa mais linda desse mundo aprendeu a andar. Mas a andar de um jeito muito desajeitado ainda, cambaleando as pernas e nas muitas tentativas caindo sem dó. Mas ela nunca chorou nas quedas, existia um orgulho muito bonito ali.

Desde que nós já não somos nós, eu tenho acompanhado mais Amora, tenho visto as primeiras birras, as primeiras palavras saindo de uma forma muito bonita. Existe muita coragem pra aprender a falar, pra aprender a andar e continuar vivendo. Estou tentando absorver isso dela, desse ser com pouco mais de um ano.

Sinto sua falta, mas quero ser só por um tempo. Era esse mesmo o caminho. Apesar de você ser um grande amor, você também era um abismo sem fim. Mas sempre vou me lembrar com carinho. Você me mostrou quem eu sou. E tenho amado esse ser que você me revelou. Depois de você eu aprendi a me amar integralmente e por isso sempre serei grato a você. O amo!

terça-feira, 28 de julho de 2015

Você cruzou a minha vida, entrando dentro de mim e me consumindo inteiro. Você se foi e Trovoa fica tocando incessantemente aqui em casa. Como um furacão que não tem dó e não deixa mais nada no lugar. O mapa do meu corpo mudou. Você chegou dilatando os meus poros, ultrapassando as barreiras e deixando o sorriso e as lágrimas saírem num lindo fluxo. O mundo não cabe em você, meu querido amor.

domingo, 21 de dezembro de 2014

Um dia a gente chega em casa Paco. Dormi no meio da tarde. Gosto dos círculos. Procuro passagens  para a minha mudança. Cada dia me mudo para um lugar diferente. Gosto de árvores. Azul além da cor mais quente é a minha cor preferida. Amo camarão. Tenho alergia a camarão. Onda do mar se quebrando é a coisa mais linda. Passo mais tempo dormindo do que acordado. Um dia a gente chega em casa Paco. Inspiro, expiro. Inspiro e espirro. Meu cabelo nem sempre foi cacheado. Nunca chorei por uma menina. Sou ligado a datas. Posso passar dias somente assistindo filmes. Sou feliz. Estou feliz. Quero você. Quero a mim. Nunca vamos chegar em casa Paco.

sábado, 20 de dezembro de 2014

Não tenho do que fugir. Acordo e espero que o sentimento e a emoção da sua existência tome conta de todo o meu corpo. Não há um poro do meu corpo que não sabe o seu nome. A cachorra está meio irritada com essa vibração toda que sai de mim. A minha identificação tem sido selvagem. Seu nome sai da minha boca sem eu pensar e analisar. Não me condeno por isso. Buda está feliz comigo. O padeiro acha que são as férias, mas eu gostaria de contar a ele que não são as férias, é a minha imaginação provocando espasmos de alegria.  A minha imaginação percorre todo o seu corpo. O seu pau, a sua bunda, o seu mamilo, tudo se repetindo o dia inteiro. Tenho visitado a parentela e hora ou outra converso com você. Sei que de alguma forma as mensagens chegam. A telepatia funciona, garanto.
Eu estou bem e isso basta.